Casa Azul da Riachuelo pode ser desapropriada e até DEMOLIDA em 2024

Porto Alegre: do berço da cultura ao túmulo da história!

A Casa Azul, localizada na Ruachuelo em Porto Alegre, um dos últimos remanescentes da arquitetura eclética do Centro Histórico, encontra-se em um impasse há anos. Em meio a decisões judiciais, dívidas e um projeto de desapropriação na Câmara Municipal, o futuro do imóvel ainda é incerto.

Localizada na esquina da Rua Riachuelo com a Marechal Floriano, a Casa Azul foi construída em 1890 e tombada como patrimônio histórico municipal em 1998. Apesar de sua importância cultural, o prédio está em estado de abandono e sua fachada, única parte remanescente da estrutura original, apresenta rachaduras e risco de desabamento.

Leia também: Porto Alegre de antigamente ou de 2023: Qual a mais bonita?

História da Casa Azul

Erguida entre 1870 e 1880, a Casa Azul se ergue majestosamente na esquina da Rua Riachuelo com a Marechal Floriano, no Centro Histórico de Porto Alegre. Uma sentinela silenciosa que presenciou a evolução da cidade, desde a gentrificação no pós-guerra dos Farrapos até a degradação urbana dos dias atuais.

Seu passado é rico em histórias. A Casa Azul já foi sede de uma fábrica de chapéus, época em que a Rua Riachuelo era conhecida como a Rua da Beleza, um polo chapeleiro da cidade. A alcunha se justifica: várias fábricas de chapéus se concentravam na quadra, inclusive a última, que resistiu até a década de 1990, fabricando chapéus militares.

Inspirada no neoclássico francês, a Casa Azul é um exemplar da “Arquitetura Monumental” de Porto Alegre, um estilo que marcou a cidade entre o fim do Segundo Reinado e a Velha República. Prédios como o Margs, o Memorial do Rio Grande do Sul e o Clube dos Caçadores são exemplos dessa época.

A origem do nome “Casa Azul” remonta ao século XIX, quando o pigmento azul era raro. Uma ferragem que se instalou no local pintou a fachada de azul, diferenciando-se dos prédios beges da época. A cor marcante se tornou a identidade do casarão.

A Casa Azul também é um retrato da decadência do Centro Histórico. A partir da década de 1980, sofreu com incêndios, abandono e descaso. Um restaurante chinês que funcionava no local incendiou-se, causando danos estruturais que jamais foram reparados.

Hoje, a Casa Azul encontra-se interditada e em estado de deterioração. A fachada, única parte remanescente da estrutura original, apresenta rachaduras e risco de desabamento.

Desapropriação é a solução?

Em 2016, o Ministério Público moveu uma ação civil pública contra os proprietários do imóvel e o Município, buscando a restauração da Casa Azul. A Justiça determinou que ambas as partes realizassem o restauro, mas a decisão não foi cumprida. Em 2018, a Prefeitura chegou a realizar obras emergenciais na fachada, mas o problema persiste.

Em busca de uma solução definitiva, a Prefeitura de Porto Alegre enviou à Câmara Municipal um projeto de lei para desapropriar a Casa Azul. A medida, inédita no município, prevê a realização de um leilão público para venda do imóvel. O valor da indenização aos proprietários será pago com os recursos obtidos no leilão, descontadas as dívidas do imóvel e os investimentos públicos já realizados.

O que o futuro reserva à Casa Azul

O futuro da Casa Azul ainda é incerto. A decisão sobre a desapropriação cabe à Câmara Municipal, e o processo pode ser longo e complexo. A comunidade e os especialistas em patrimônio histórico acompanham com atenção o desenrolar dessa história, na esperança de que este símbolo da memória porto-alegrense seja preservado para as futuras gerações.

Gostou da matéria? Siga a gente no FacebookInstagram e Twitter, e fique por dentro das notícias de porto Alegre.

Priscilla Kinast

Priscilla Kinast

Priscilla Kinast é redatora de web sites há cerca de 8 anos, tendo ao todo 15 anos de experiência com produção de conteúdo para a internet. Graduada em Administração de Empresas (Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre), encontrou sua verdadeira paixão na administração de websites.

Devido sua experiência com redação de conteúdo, obteve registro profissional como jornalista pelo Ministério do Trabalho (Registro Profissional: 0020361/RS).

É porto-alegrense raiz, nascida e criada na zona norte da cidade, mas muito apaixonada pela zona sul e pela orla do Guaíba. Ama a cidade e está sempre em busca de trazer mais informações que possam ajudar seus conterrâneos a curtirem mais o que Porto Alegre tem para oferecer!

Artigos: 439

Descubra mais sobre Curtindo Porto Alegre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading