Eduardo Leite anuncia aumento de ICMS no Rio Grande do Sul

A proposta de Eduardo Leite tem motivado discussões acaloradas entre representantes do governo, empresários e deputados estaduais.

O anúncio feito pelo governador Eduardo Leite sobre a possibilidade de aumento da alíquota geral de ICMS no Rio Grande do Sul está gerando intensos debates políticos e econômicos em todo o estado. A proposta de elevar a taxa de 17% para 19% tem motivado discussões acaloradas entre representantes do governo, empresários e deputados estaduais.

Por que Eduardo Leite quer aumentar o ICMS?

O plano de aumentar o ICMS, revelado durante um evento no Palácio Piratini, tem como objetivo não apenas promover um ajuste fiscal, mas também está inserido em um contexto mais amplo de um pacto proposto por setores produtivos visando o futuro econômico do estado.

Empresários locais têm expressado apoio à medida como uma alternativa menos prejudicial do que revisar os incentivos fiscais e os benefícios na cesta básica. Eles argumentam que o aumento é fundamental para garantir a continuidade dos serviços públicos essenciais, como saúde, segurança e infraestrutura.

Reações dos Deputados Estaduais

Uma reunião crucial está se aproximando, na qual o governador se encontrará com deputados da base aliada para avaliar a viabilidade política do projeto de lei. No entanto, a proposta já enfrenta resistência, inclusive entre ex-aliados de Leite, que argumentam contra o aumento do imposto, sugerindo a manutenção dos incentivos existentes como uma alternativa mais viável. A audiência pública na Assembleia Legislativa evidenciou o apoio de líderes empresariais, especialmente do setor agropecuário, ao aumento da alíquota, considerando-a como uma solução menos prejudicial.

Embora haja apoio considerável ao aumento de ICMS, algumas críticas questionam a mobilização em favor da medida, sugerindo que ela pode representar uma capitulação frente à pressão do governo. No entanto, líderes empresariais defendem que se trata de um diálogo pragmático em busca de soluções para o impasse fiscal. O desfecho político nas próximas semanas será crucial, pois a medida terá um impacto significativo na economia do estado, influenciando diretamente a infraestrutura e a qualidade de vida da população.

A expectativa agora se concentra nas decisões políticas que serão tomadas, tanto pelo governo quanto pela Assembleia Legislativa. O futuro do Rio Grande do Sul depende em grande parte das escolhas que serão feitas para lidar com essa questão fiscal complexa.

Gostou da matéria? Siga a gente no FacebookInstagram e Twitter, e fique por dentro das notícias de porto Alegre.

Magdalena Schneider

Magdalena Schneider

Bacharel em Psicologia pela Faculdade IENH; especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela Universidade Estácio de Sá.
Natural de Dois Irmãos / RS, sempre quis morar em Porto Alegre, e em 2020 realizou esse desejo. Há três anos vem desbravando a capital gaúcha e compartilhando aqui suas experiências.

Artigos: 981

Descubra mais sobre Curtindo Porto Alegre

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading